Existem alguns profissionais na área da saúde que só conhecemos sua real utilidade e importância quando faz-se necessário sua intervenção em nossas vidas. Temos que falar de muitos que passaram em nossas vidas, por isso aos poucos, falaremos um pouco de alguns que passaram em nossas vidas, e ainda permanecem por se tornarem amigos e muitos até membros de nossa família, que é o caso da equipe de profissionais da UTI do Hospital São José.

Em decorrência de um extenso AVC Isquêmico do lado esquerdo nossa genitora permaneceu durante 38 dias na UTI do Hospital São José, muitos se questionam: AVC no Hospital São José? Como assim? Lá só não trata de aidéticos? Pois é acreditem, nosso sistema de saúde está tão falido que não existe um critério para selecionar onde serão tratados alguns casos distintos, eu digo que é assim: “Tem vaga ai? Então encaixa esse aqui!!!” Das duas vezes que foi necessário um leito de UTI para ela, eu tive que recorrer à justiça, como eu já falei, e da segunda vez fomos presenteados com a honra de conhecer mais de perto o “temido” Hospital São José que é pioneiro em doenças infectocontagiosas, ainda bem que tivemos essa oportunidade por que se fosse em outro hospital o desfecho de nossa história não teria sido feliz, eu tenho certeza.

Depois de 5 dias intubada num leito na UPA da Praia do Futuro, por intermédio da Defensoria pública de defesa da Saúde do Estado do Ceará, conseguimos uma vaga de UTI adequada, de novo tivemos que lutar contra o tempo e contra um governo fracassado que prioriza construir obras inacabadas e deixam seu povo perecendo nos corredores.

Quando recebemos a ligação da assistente social da UPA da Praia do Futuro já era um pouco mais das 12hs do dia 07/10/2015, dizendo que a vaga tinha sido liberada e que eu teria que me dirigir até lá para acompanha-la até o Hospital São José, no mesmo instante eu travei e perguntei: Como assim nesse Hospital? E ela me respondeu: É onde tem uma vaga que encaixe sua mãe!!!

Admito que uma sensação alarmante passou dentro de mim, por que até então nós, minha família, meus amigos, todos nós, nunca tínhamos tido uma experiência com esse hospital. Na verdade, a impressão eram informações de pessoas leigas e toscas que não conhecem e já degredem a imagem de algo que não sabem, não tem a mínima noção do que é de fato e falam o que não sabem.

Fui acompanha-la com o coração na mão, e com cabeça cheia de paranoias e dúvidas. Quando chegamos no Hospital o impacto foi duro, por que a estrutura do mesmo é antiga, suas instalações precisam ser reformadas, mas o atendimento da equipe da UTI desse hospital é de primeiro mundo (digo da UTI primeiramente por que estamos falando nesse setor, depois falamos da UNIDADE C), acredito que nunca, nunca fomos tão bem tratados emocionalmente

Eu digo que sair da ambulância tão desolada, esgotada e Deus estava dividido em cada um deles na porta de braços abertos me esperando e dizendo: “Acalme-se nós vamos cuidar dela!!!”

Nesse dia eu lembro claramente de muitos profissionais que ali estavam, o médico plantonista chamava-se Dr. Ricardo Coelho, o enfermeiro que me atendeu era o João Batista, a Fisioterapeuta era a Dra. Isabel (Minha Belzinha de açúcar), e a assistente Social chamava-se Larissa Gaspar. E assim fomos acolhidos por essa gente, acolhidos mesmo, durante os 38 dias que permanecemos com ela nessa instituição fomos acolhidos e abraçados carinhosamente por esses profissionais, todos os dias éramos recebidos com sorrisos afetuosos e olhares que consolavam nosso coração, e aquietava nosso espirito embora muitas vezes as notícias não serem boas sobre o quadro de saúde dela.

Na primeira hora que entrei ali, vi que todas as más informações, todas as informações erradas eram erradas mesmo. Nos disseram: “”Hospital São José? Então estão mandando ela para lá por que é para morrer mesmo!!!””  Acreditem, escutamos isso. E hoje eu digo que se eu puder até o ultimo dia da minha vida eu só direi coisas boas. Eles na nossa vida fizeram toda a diferença. Eles cuidaram não só da nossa genitora, mas da minha família também, eles vivem o altruísmo diariamente, constantemente. Apesar de irmos em horários diferente visita-la na UTI durante o período que ela ficou na UTI (eu ira pela tarde, e minha irmã a noite) sempre saímos de lá confortadas.

Ali se encontram profissionais esclarecidos, qualificados, experientes e digo mais, íntegros, leais a sua formação, tratam todos com a mesma cordialidade, sem distinção, exercem sua profissão por e com amor.

Sabemos que falta muito para eles exercerem melhor sua profissão, mas o que falta não cabe a sua alçada. Falta nossos governantes investirem mais em medicamentos (por que tivemos que custear alguns), falta melhores salários, falta um olhar mais detalhado na estrutura por que está um pouco judiada, Falta muito por parte de nossos líderes.

As instalações da UTI deste hospital são excelente, mas extraordinárias são as mãos humanas que ali trabalham.

Trabalhar na área da saúde requer “Ser Amor” e se eu falar de “Amor ao próximo” falarei dessas pessoas (Todos da UTI), quem nos perguntar quem são em nossas vidas referências em humanidade hospitalar, são essas criaturas aqui:

MÉDICOS:

Mardonio, Juliana, Luiz Wilson, Kelma, Márcia, Jovino, Carlos Jaime e Glaura.

FISIOTERAPEUTAS:

Karine, Clebia, Emilia, Riane, Ivone, Timóteo, Cleiton, Felipe e Aurileda.

ENFERMEIROS:

Adailson, Angela Roberta, Sheila, Danielle, Elizabeth, Fatima Vasconcelos, Luciana, Vládia, Luciene, Selma, Veronica, Antoniele.

TÉCNICOS de ENFERMARGEM:

Fabiola, Francizete, Catarina, Fatima Paiva, Maryane, Rosemary, Sandra, Samyla, Francisca, Rogerio, Dalva, Fatima Sales, Helena, Josineide, Silvia Helena, Samanta.

 

Em especial por afinidade, com muito respeito, amor e carinho nosso maiores elogios irão para o Dr Ricardo Coelho, Dra. Eveline e Dra Lia (a medica que sorrir com os olhos). Para minhas abençoadas Fisioterapeutas Danielle, Isabel e Érica (minha apaixonante Érica, minha irmã de vida e de alma!!!). Aos Enfermeiros Adriana, Ana Claudia e João Batista. Aos nossos anjos vestidos de técnicos de Enfermagem Edite, Maria Pacheco, Ricardo, Julia Carla e Juciano.

 

Sempre orarei por vocês, por suas famílias por que para minha família vocês jamais serão esquecidos, ao contrario nosso louvor á Deus é de gratidão por suas vidas.

 

Estou expondo o endereço deste hospital na aba de endereços uteis.